Cristo em mim

APOLÍTICOS (Fomos Chamados para a Influência e não para a Omissão)

Hoje, talvez, o grupo político que mais cresce no Brasil é o de “Apolíticos”, ou seja, os que não querem saber de política, têm aversão à política.

Diante da realidade que nos encontramos, dizem muitos, é impossível acreditar na política, na classe de políticos. Todos são iguais, todos são farinha do mesmo saco. Só pensam em dinheiro, mentem para conseguir o nosso voto e não pensam em ninguém além de si mesmos, dizem os cidadãos com aparente razão.

Realmente o quadro é MUITO ruim, na verdade é triste ver televisão hoje em dia e ver o quanto a corrupção tem desviado o dinheiro de creches, escolas, hospitais, avenidas, rodovias, pontes, etc, para o bolso de homens e mulheres corruptos e gananciosos. Ver crianças que estudam em escolas neste país que não deveria nem servir de “canil” quanto mais de sala de aula. Ver pessoas aglomeradas em corredores de hospitais parecendo em uma guerra civil. Ver famílias inteiras morrendo em acidentes de carro por causa de pistas perigosas e que nunca são duplicadas. Tantas outras situações tristes poderiam ser destacadas aqui, mas este texto ficaria muito longo.

Mas diante dessa realidade, será que a aversão a política é a solução? Será que votar em um “palhaço” vai mudar o rumo e dar mais alegria? Será que se tornar um crítico de plantão contra todos os políticos irá nos trazer mais esperança? Será que ficar fazendo piada de tudo e todos irá nos fazer mais felizes do que apenas em um momento rápido?

E depois? E quando vermos mais pessoas chorando na TV ou em nossa própria família porque sofreram tristes consequências da falta de segurança ou de hospitais, fruto da corrupção em nosso país? Será que vamos rir novamente? Acho que não…

O que dizer então? O que fazer? Sentar e chorar?? Também não… pelo menos não apenas isso. Chorar já é um começo, pois isso mostra que nos importamos. Não um choro sem esperança, mas um choro por compaixão e por desejo de mudança. Não sou psicólogo e nem profissional da área, mas acredito que este tipo de choro pode fazer bem, bem para nós e, principalmente bem para alguém que precisa de nossa compaixão. Devemos sim chorar com os que choram. Mas não ficar apenas nisso.

Vemos esse exemplo no livro bíblico de Neemias (Neemias 1). Neemias era um copeiro do Rei persa Artaxerxes em Susã, cidade localizada a leste da Babilônia. Ele ouviu de Hanani, seu irmão, que os muros de sua cidade, Jerusalém, estavam destruídos e que o povo de lá (o seu povo) estava em grande miséria e desprezo. A primeira reação de Neemias foi CHORAR e LAMENTAR, e ele fez isso por alguns dias. Mas não ficou só nisso, ele também OROU, se arrependeu pelo pecado do povo e pela corrupção dos corações. Mas também não ficou só nisso, ele se levantou e AGIU. Neemias poderia nem ter se importado, visto que até estava bem onde estava (era um dos homens de maior confiança do rei). Poderia apenas reclamar e ficar desacreditado, visto que o povo pecou contra Deus e não há nada que pudesse ser feito. Poderia rir e fazer piadas pois o povo teve o que mereceu. Poderia ter se tornado um crítico de plantão, até com certa razão, colocando a culpa em várias situações. Poderia até mesmo ter apenas chorado ou lamentado para sempre. Mas sabemos que não foi essa a sua atitude.

Sei que o contexto era outro, que naquela época a forma de governo era outra, mas o que quero destacar aqui é o coração de Neemias. Neemias se mostrou um agente transformador e não um mero reclamador e murmurador. Não fez piadas e nem se escondeu com medo do que poderiam pensar dele, inclusive o rei. Não se omitiu. Neemias ajudou e liderou a reconstrução dos muros de Jerusalém em uma narrativa emocionante e singular. Não sei se você sabe, mas Neemias também se tornou governador. Inclusive existem vários exemplos de políticos bem sucedidos na bíblia, com José, Daniel, Ester, Davi, etc.

Usei o exemplo de Neemias da bíblia, mas o que dizer de Martin Luther King Jr? que se tornou um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos e no mundo. Ele criticou a situação em que se encontravam, chorou por compaixão de seus irmãos negros e lutou pelos ideais que acreditava. O que falar de Gandhi? Mandela? Nicholas Winton? E tantos outros, conhecidos e anônimos, que viram, em meio ao caos, possibilidades de mudança e de esperança ao invés de murmuração e piada.

Me assusta ver como cresce o grupo de apolíticos, que desistiram da política, que entregaram a política de vez para os corruptos, gananciosos e sem competência, que apenas criticam e fazem piada. O que mais entristece é o fato de ver pastores e lideres cristãos que seguem o mesmo caminho. Esquecem da atitude de Neemias que nos foi deixada como exemplo nas sagradas Escrituras. Esquecem do exemplo de homens e mulheres que trouxeram esperança ou invés de mais dificuldade. Esquecem que fomos chamados para ter uma palavra de esperança e uma vida que reflete a glória de Deus.

Jesus não foi político, nem tinha pretensão de ser, Ele sabia exatamente o que deveria fazer. Mas Ele também não foi ministro de música, diácono, dentista, frentista, piloto de avião, empresário, etc. Ou seja, o fato de Jesus não ter sido político não quer dizer absolutamente nada com Ele ter aversão à política. Ele não ter tido pretensão em ser político não tem nada ver com Ele desaprovar quem deseja ser seja ou achar que crente não pode ter nada com política. Seria ignorância pensar que Jesus não aprova a função política ou a política em si, apenas por que Ele não foi ou não quis ser um. Se fosse assim, Jesus estaria triste por eu ser engenheiro civil, visto que Ele não foi em nem pregou sobre como ser um bom engenheiro civil. O que Jesus nos deixou está acima disso, e ao mesmo tempo no fundamento disso. Acima, pois devemos buscar em primeiro lugar o Reino dos céus e a Sua justiça (Mateus 6:33) e que devemos pensar nas coisas do alto (Colossenses 3:1). E no fundamento, porque tudo o que fazemos devemos fazer para Glória de Deus (I Coríntios 10:31) e indo por toda parte, devemos, em nosso trabalho e em qualquer função, fazer discípulos para Jesus (Mateus 28:19).

Vamos acabar com essa hipocrisia logo de achar que todo político não presta e virar as costas para a situação em que vivemos. Isso não é verdade. Como se não existisse corrupção em outros âmbitos da sociedade, inclusive na igreja instituição. Gente ruim e corrupta temos em toda parte, o problema é que em nosso sistema de governo quem coloca os políticos lá somos nós através de nosso voto. O povo merece o político que é escolhido por ele. A corrupção começa na maioria das vezes no próprio eleitor que vendeu seu voto ou que se abdicou de fazê-lo com consciência.

Não quero aqui, de forma alguma, defender que temos que nos calar, que não podemos nos manifestar, que temos que aceitar sem reclamar. Claro que NÃO! Pelo contrário, temos que seguir o exemplo de Neemias e de tantos outros citados aqui. CHORAR, LAMENTAR, ORAR e AGIR. Chore pelos injustiçados, Lamente pela corrupção, Ore por transformação e arrependimento e tome atitudes que tragam esperança e mudança. Vote consciente, conheça mais a política, se envolva positivamente, influencie de forma madura, tenha e divulgue boas idéias, ou talvez, seja candidato com competência e motivações corretas. Tem como mudar?? Claro que tem. Murmurando, sendo contra política apenas ou fazendo piada jamais será possível.

Não quero pedir voto para ninguém, quero aqui alertar para um problema que está se alastrando que não vai levar a nenhum lugar de mudança e esperança para o Brasil. Ser contra a corrupção e contra a injustiça é nosso dever e, na verdade, fruto de um coração temente a Deus. Mas ter aversão a política não fará do Brasil um país melhor. Ser apolítico é negar nosso direito de contribuir para uma sociedade mais justa. Não há pretensão em mim de achar que todos devem gostar da política, de serem políticos por vocação. Mas você deve pensar de que forma você está contribuindo para que o Brasil seja um país mais justo para sua e para as próximas gerações.

Hoje o cristão, principalmente muitos pastores e lideres evangélicos, tem medo de falar em política e de se posicionarem quanto esse assunto. Parece até pecado. Claro que pastor não tem que obrigar crente nenhum a votar em ninguém, conquistamos o direito de votar em quem quisermos. Púlpito não deve ser palanque político e igreja não deve levantar bandeiras partidárias. Mas igreja também é lugar de se falar em política e em políticos, se a bíblia é porque a igreja não deveria ser? Qual o problema de um pastor apoiar um político se isso é feito sem receber nada em troca e por conhecer o caráter e competência da pessoa pública em questão? Se um pastor me indicar um médico que ele consultou por ter sido muito bem entendido ele estaria errado? A igreja deve instruir, conscientizar e influenciar da forma correta. Religião e política realmente não se misturam, mas não quer dizer que não podem andar coerentes em consonância com a palavra de Deus. A religião sem Deus é uma filosofia ou uma ideologia apenas, assim como, a política sem Deus é um sistema falido e corrupto.

É impossível ver tanta corrupção e injustiça e achar que a igreja não tem nada a ver com isso. Temos muito a ver. Quem leva a luz de Deus senão aqueles que O temem e O servem? Jesus vive em nós (Gálatas 2:20), fomos comprados por um alto preço e devemos glorificar a Deus em tudo o que fazemos (I Coríntios 6:20), inclusive na política. Ser “apolítico” não resolve nosso problema. Não julgo ter a palavra final de forma alguma sobre este assunto, mas estou caminhando para um pensamento mais maduro de forma a acrescentar e trazer esperança de um Brasil melhor e não apenas ser mais um crítico de cadeira e sem ação. Convido você a refletir sobre isso.

Será que existe tanta diferença prática entre a corrupção e a omissão?

Como cristãos, como líderes, como pastores, NÃO NOS VENDAMOS, mas também NÃO NOS OMITAMOS.

“Portanto, pensem nisto: Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz comete pecado.” (Tiago 4:17)

Deus abençoe nossa nação, Brasil precioso!

Paz,

Daniel Lucas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s